terça-feira, 10 de março de 2009

Depois de 3 anos...


Ontem foi a exumação do corpo da minha avó paterna. Cheguei muito atrasada e acabei perdendo tudo. Até meio que me perdi no caminho até a gaveta.
Estava subindo escadas e andando entre as gavetas quando percebi o quanto o cemitério fede. Fico imaginando o pq nunca percebi isso antes. Será que são as folhes durante o enterro que disfarçam o cheiro, será que o nariz entupido por conta de ficar chorando atrapalha o olfato (no meu caso não, eu não choro em enterros), ou simplesmente falta de atenção?

Estava andando por um corredor de túmulos quando comecei a ouvir um farfalhar nas folhas que estavam caídas. Várias folhas de coroas jogadas no chão. :A princípio achei que fosse o vento, mas depois o barulho pareceu de animais que estavam andando entre a folhagem, provavelmente lagartos ou baratas (apesar do sol). Então comecei a ouvir “tum, tum, tum, tum” e quando estava aguçando a minha audição para identificar da onde vinha o som, de repente: CREC!

Eu saí correndo pelos corredores de túmulos desesperadamente procurando alguém que fosse vivo, de preferência que não aparentasse tendências psicopáticas.
Quando cheguei lá embaixo eu ainda não vi ninguém próximo de mim. Mas podendo estar com mais calma por estar próxima da saída é que eu processei tudo o que era. O “tum tum” era apenas alguém marretando algo lááááá em cima e o “crec” era alguma pedra estalando por conta do calor.

Eu realmente não pensei que um morto vivo ia se levantar pra me pegar, eu simplesmente me assustei e saí correndo. Me assustei desse jeito pq era dia, imagina se fosse quase noite. Como é que alguém conseguiria andar por um lugar desses a noite?

De qualquer forma eu falhei com minha prima. Ela nunca tinha estado numa exumação, e até hj só foi ao enterro dessa minha avó. Ela não sabia que os ossos não eram brancos, que o cabelo permanecia no lugar e que dentro do túmulo haviam muitos insetos, principalmente baratas. Felizmente um amigo dela estava lá e felizmente tudo isso foi muito menos chocante do que ela imaginava.

Algo que eu receiava ocorreu: Ela levou a câmera e ainda me disse que eu poderia ver como foi tudo depois que ela revelasse as fotos. Deixei que ela fizesse uma foto minha olhando o nicho que ela comprou (a única pessoa que podia fazer algo *$* e se importou em fazer). A questão toda é que eu não consigo me acostumar com esse costume dela. E eu que pensei que era mórbida, eu que pensei que era photo freak. É a pessoa mais normal da família do meu pai, então eu procuro relevar.

Coisas de mães e filhos: Fazia trtês semanas que meu pai não ligava e curiosamente ele me ligou no momento exato que cheguei ao cemitério... É... Minha avó paterna me assusta com certas coisas mesmo depois de morta.

Na volta fizemos uma visita a Carmen Miranda.

Nenhum comentário: