domingo, 29 de março de 2009

Arrumando o Quarto – O Épico – parte 4


Eu me mudei, depois me mudei, depois me mudei de novo e me mudei mais uma vez. Nem eu sei mais onde estou. Só sei que o quarto continuava lá e tinha que terminar o serviço.

Agora me aproximo do que parece a reta final, tendo começado pela parte difícil e agora entrando na parte quase burocrática de arrumar os papéis. Sim, muitos papéis!

A maioria das pessoas se pergunta o porque os guardo e por que em tamanha quantidade. Eu também me desfaço de muitos também, em quantidade quase similar. Os que ficam tem sempre um bom motivo (acreditem se quiser).

Me deparei com outro texto que escrevi há uns 7 anos atrás mais ou menos, a única carta minha que foi publicada num jornal até hoje (acho que também a única que me dei ao trabalho de escrever).

“Tenho 16 anos e outro dia minha mãe me perguntou quando eu ia tirar o título de eleitor. Eu não soube responder. Pensei que talvez não tivesse ninguém que valesse a pena ser votado na próxima eleição.

Meu pensamento foi confirmado depois do último Show do Milhão para políticos em que o governador do estado onde eu moro, Anthony Garotinho, não soube responder quais são os elementos que compõem a água e ainda teve coragem de dizer que a pergunta estava mal feita.

Eu acho que em sua vida de governador ele não vai precisar saber nenhuma fórmula química, ele não tem obrigação de saber nada de química. Só que ele, como governador, tem obrigação para com a honestidade, ele tem que ser honesto e admitir que não sabe nada de química ao invés de ficar tentando culpar a pergunta, assim como um governante que fica passando a batata quente, dizendo: O problema não é meu.

Em quem votar? Numa pessoa orgulhosa que para negar a falta de conhecimento tem a cara-de-pau de dizer que a pergunta estava mal formulada como se fosse grande sabedor do assunto em questão? Se depender dele só votarei forçada e não será nele.”


Só me dá vontade de rir lendo isso...

Sei lá, achei uma gracinha, minhas expressões de rebelde sem calça.

Agora tenho que confiar nas minhas seleções passadas, pensar que realmente separei bem tudo que tenho pra jogar fora, doar e devolver, pq tempo pra ficar revisando de novo é o que me falta.

Acho que farei alguns amigos felizes com minhas devoluções e também acho que serei útil para o Exército da Salvação e afins. Fora os catadores de papel que farão a festa assim que colocar as últimas caixas com papéis velhos lá embaixo.

Agora as coisas começam a se encaixar...

quarta-feira, 18 de março de 2009

Conversas Sinceras

- Depois que te conheci eu não desejo ter mais nenhuma outra.

- É mesmo? verdade?

- É.

- Pera aí... Como assim?!

- Ué, você toma tanto o meu tempo que seria difícil eu querer mais outra.

- ¬¬ ...

terça-feira, 10 de março de 2009

Depois de 3 anos...


Ontem foi a exumação do corpo da minha avó paterna. Cheguei muito atrasada e acabei perdendo tudo. Até meio que me perdi no caminho até a gaveta.
Estava subindo escadas e andando entre as gavetas quando percebi o quanto o cemitério fede. Fico imaginando o pq nunca percebi isso antes. Será que são as folhes durante o enterro que disfarçam o cheiro, será que o nariz entupido por conta de ficar chorando atrapalha o olfato (no meu caso não, eu não choro em enterros), ou simplesmente falta de atenção?

Estava andando por um corredor de túmulos quando comecei a ouvir um farfalhar nas folhas que estavam caídas. Várias folhas de coroas jogadas no chão. :A princípio achei que fosse o vento, mas depois o barulho pareceu de animais que estavam andando entre a folhagem, provavelmente lagartos ou baratas (apesar do sol). Então comecei a ouvir “tum, tum, tum, tum” e quando estava aguçando a minha audição para identificar da onde vinha o som, de repente: CREC!

Eu saí correndo pelos corredores de túmulos desesperadamente procurando alguém que fosse vivo, de preferência que não aparentasse tendências psicopáticas.
Quando cheguei lá embaixo eu ainda não vi ninguém próximo de mim. Mas podendo estar com mais calma por estar próxima da saída é que eu processei tudo o que era. O “tum tum” era apenas alguém marretando algo lááááá em cima e o “crec” era alguma pedra estalando por conta do calor.

Eu realmente não pensei que um morto vivo ia se levantar pra me pegar, eu simplesmente me assustei e saí correndo. Me assustei desse jeito pq era dia, imagina se fosse quase noite. Como é que alguém conseguiria andar por um lugar desses a noite?

De qualquer forma eu falhei com minha prima. Ela nunca tinha estado numa exumação, e até hj só foi ao enterro dessa minha avó. Ela não sabia que os ossos não eram brancos, que o cabelo permanecia no lugar e que dentro do túmulo haviam muitos insetos, principalmente baratas. Felizmente um amigo dela estava lá e felizmente tudo isso foi muito menos chocante do que ela imaginava.

Algo que eu receiava ocorreu: Ela levou a câmera e ainda me disse que eu poderia ver como foi tudo depois que ela revelasse as fotos. Deixei que ela fizesse uma foto minha olhando o nicho que ela comprou (a única pessoa que podia fazer algo *$* e se importou em fazer). A questão toda é que eu não consigo me acostumar com esse costume dela. E eu que pensei que era mórbida, eu que pensei que era photo freak. É a pessoa mais normal da família do meu pai, então eu procuro relevar.

Coisas de mães e filhos: Fazia trtês semanas que meu pai não ligava e curiosamente ele me ligou no momento exato que cheguei ao cemitério... É... Minha avó paterna me assusta com certas coisas mesmo depois de morta.

Na volta fizemos uma visita a Carmen Miranda.

sábado, 7 de março de 2009

Entre aborto e estupro existe qual seja menos grave?

Acabei de ouvir no Jornal da Globo que a mãe da menina de 9 anos que abortou os filhos de seu padrasto, que a estuprou (sabe-se lá quantas vezes). Por conta de ser uma gravidez de altíssimo risco (entre outros tantos motivos que seriam válidos nesse caso) resolveram interromper a gestação.


No jornal dizia que o padrasto não foi excomungado por que estupro foi considerado um pecado menos grave que aborto.


MAS É CLAAAAAARO QUE É MENOS GRAVE! SE FOSSEM EXCOMUNGAR TODOS OS ESTUPRADORES PEDÓFILOS QUE EXISTEM, A IGREJA PERDERIA ¼ DE SEUS PADRES, BISPOS E SEJA MAIS QUEM FOR DE SEUS COMPONENTES QUE ELES SEMPRE ACOBERTAM EM SUAS PRÁTICAS VIS!!!


Queriam o que? Que a menina que mal tem idade pra fazer a primeira comunhão fosse dar o exemplo de como uma menina cristã deve se comportar? Mesmo que tivesse que pagar com ávida? E o direito a vida que ela também tem? Jogar esse peso todo de ser mártir em cima dos ombros de uma vítima que deve ter passado um sofrimento imensurável é no mínimo brutal.


Se é essa a postura que tomam (excomungar todos menos o padrasto) eu realmente não consigo enxergar como o lado “positivo” pode compensar o negativo dessa religião.


Já ouvi um caso que ocorreu no início do século passado de uma garota de 7, que aparentemente chegou a dar a luz à criança. Não sei se ela sobreviveu.


Só sei que a tal menina de 9 anos não teria que passar pela situação de fazer um aborto ou não se não fosse por conta desse estuprador! COMO ASSIM NÃO O CONSIDERAM RESPONSÁVEL POR ISSO? ELE COLOCOU A MENINA NESSA SITUAÇÃO!!! Agora ele pode recorrer à igreja para se reconfortar de seus pecados, pra pedir perdão a Deus por ter arruinado a vida de três mulheres (que se saiba ao menos). Poderá pensar que ainda pode não ir pro inferno caso se arrependa de verdade, pois a igreja não virou as costas pra ele.


Já a mãe da menina... Essa talvez encontre dificuldades para levar sua filha à igreja...